segunda-feira, 17 de março de 2008

Filho Prodigo

Quando comtemplamos na tela os dois dissípulos de Emaús, em volta da mesa do jantar, aconlhendo o Senhor ressuscitado que lhes parte o pão da Eucaristia, entedemos a ternura do convite que os dois fizeram ao peregrino para hospedar-se com eles, pois o sol já ia posto.E a mensagem de Lucas entrando pelos olhos. Quem ja se não comoveu com a sena do pai amoroso, figura de Deus abraçando o filho maltrapilho que voltava do pecado para a alegria da casa paterna?
A arte Sacra é doutro catecismo tanto para os simplis como para os intelectuais. É a Bíblia nas euas muitas cenas, entrando pelas janelas dos olhos na inteligência e descendo ao coração.
Neste opúsculo o olhar vai percorrer algumas cenas bíblicas, retratadas com arte e maestria pelas mãos criativa de Reginaldo Pereira, o ex- menino de Bom Jardim, lá do distante Maranhão, que hoje- moço feito- ven enriquecendo as Igrejas do triângulo com a feitura de seu mágico colorido pincel. Lá na bela Capela do espírito Santo na paróquia de São Judas, deixou em tela o acontecimento de pentecostes. No Santuário da Medalha Milagrosa, imprimiu na capela das confissões, o comovente encontro do filho pródigo com o pai que o perdoa. Na Paróquia do Santíssimo Sacramento pintou no alto a última ceia. E enriqueceu de beleza a Santa Luzia e a São Josá da Gameleira em Uberaba, a Nossa Senhora das Graças do Barreiro em Araxá, a Abadia de Sacramento, a matriz e a capela do Santíssimo em Campo Florido. Por onde passa, deixa a marca de sua alma religiosa de Artista.
As mãos que Deus nos deu são sempre operosas. As divinas, onipotentes, arrancaram o mundo do nada. As do operário erguem os edifícios que tocam as nuvens; as da mulher caprichosa tecem rendas e talagarças; as do pianista brincam e dançam na brancura do teclado; as do pintor criam em formas e cores, belesa que nos encantam. Assim as finas mãos de Reginaldo Pereira enriquecem nossos templos católicos com as telas ora aqui , nesta publicação, reproduzidas para a festa dos olhos que sobre elas vierem a pousas.


"Dom Benedito de Ulhôa Vieira, Arcebispo Emérito de Uberaba- MG."

Um comentário:

Crisfonseca disse...

Olá Regis
Me sinto privilegiada por ter visto esta obra de perto, ela é magnífica, ao ve-la o impacto foi tão grande que de imediato não percebi que foi feita na parede.

Beijos,
Cris